12 junho, 2018


Na feira do livro de Lisboa havia uma banca onde se encontrava Maria do Carmo Vieira com uma petição contra o acordo ortográfico. Apesar do meu cepticismo face a este tipo de iniciativas, a minha simpatia pela causa levou-me, sem hesitar, a assinar, enquanto íamos dando dois dedos de conversa. Fiquei perplexo com o empenho militante com que ela está envolvida nesta causa. Mas ainda mais fiquei, à despedida, pelo modo emocionado como manifestou a sua gratidão por eu ter assinado. Insisto quanto ao meu cepticismo, que não é defeito mas feitio, nem tendo já sequer idade para o mudar. Mas que inveja! Inveja pelo entusiasmo e espírito militante de pessoas que saem à rua com fé e esperança, regressando todos os dias a casa com a consciência do dever cumprido, só parando quando, um dia, o coração deixar definitivamente de bater. Eu tenho simpatia por esta causa, como posso ter por outras. Coisa bem diferente é estar apaixonado e sentir o coração a bater mas isso já eu não sei o que é.