18 abril, 2018

O CAPITAL

Quentin Massys | O Banqueiro e sua Mulher

Acabámos com o comunismo mas continuamos a ter comunistas. Isso é possível devido a um conjunto de crenças e desejos cuja autonomia os liberta do princípio da realidade. Cada um acredita e deseja no que bem entender, e tanto podemos livremente acreditar no que desejamos como livremente desejar aquilo em que acreditamos. Contrariamente ao que aconteceu com o comunismo, não acabámos com o capitalismo e continuamos a ter capitalistas. Para tentar acabar com o capitalismo poder-se-ia acabar com os capitalistas. Acontece, porém, que depois de acabarmos com os capitalistas voltaríamos a ter de novo capitalistas e, consequentemente, capitalismo. Este, ao contrário do comunismo, não resulta de um conjunto de crenças e desejos libertos do princípio da realidade para serem impostos à natureza humana, mas da própria realidade que nos impõe certas crenças e desejos em função da natureza humana. Crenças e desejos que não são perfeitos uma vez que a realidade também não o é, porque também não o é a nossa natureza. Claro que há capitalismo melhor e pior. Não no sentido do primeiro ser mais perfeito do que o segundo mas apenas por conseguir ser menos imperfeito. O que já é muito bom, diria mesmo, uma grande conquista civilizacional.