09 dezembro, 2017


[...] nunca mais é demasiado tempo [...]

José Saramago, As Intermitências da Morte