12 setembro, 2017

SCANDISK

Marc Riboud | Arredores de Chartres, 1923

Durante séculos, era ao padre que as pessoas abriam a sua alma no segredo do confessionário. Alma que, metamorfoseada em mente ou psique, passou a revelar-se no divã de um psiquiatra. Hoje, entrega-se o disco rígido ao tipo que arranja os computadores. É nele que, actualmente, sem culpas, recalcamentos ou penitências, está, em bytes, a alma de uma pessoa.