06 julho, 2017

E QUE TAL UM CONCERTO DE BRAHMS?



Já lá vão umas semanas, encontro no supermercado um antigo aluno, actualmente universitário. Conversaram-se as coisas do costume mas veio também à baila a sua geração, neste caso, os colegas universitários. Algo desanimado, diz-me que os nota aborrecidos. Nem mais: aborrecidos. Que poucas coisas os motivam, entusiasmam, empolgam, vendo tédio em quase tudo o que os rodeia e dando pouca importância às muitas coisas que têm. Eu, já velho, fico perplexo com tanto aborrecimento, com todo este spleen pós-moderno pelas esquinas do Bairro Alto, spleen, em tempos, de um marialvismo de faca e alguidar. Mas não há ninguém que convide esta gente para um concerto de Brahms?