11 junho, 2017

INOCÊNCIA

Joseph Caraud

Recuemos no tempo. Por exemplo, 1843, 1865 ou 1872, enfim, um qualquer ano do século XIX. Numa sala, num jardim, num quarto, depois do chá, uma criada levanta a mesa e, já na cozinha, ao retirar a loiça da bandeja, deixa cair uma chávena que logo se estilhaça no chão. Nada de importante, apenas uma chávena. A mulher não sabe, nem nunca virá a saber, que acaba de partir uma chávena do século XIX.