15 janeiro, 2017

O OVO DA SERPENTE



Franz Gall foi um médico alemão do XIX para quem a cartografia do cérebro era tão exacta como um mapa da Europa com os seus países bem identificados. Desenvolveu então uma teoria segundo a qual através da palpação das saliências da cabeça seria possível aferir o carácter e personalidade de uma pessoa. Do mesmo modo que olhando para o mapa da Europa podemos localizar os diferentes países, também apalpando a cabeça de uma pessoa poderíamos dizer se é corajosa, alegre ou benevolente. Conta-se que, um dia, num daqueles eventos sociais tão novecencistas, tendo-lhe pedido para avaliar o carácter de um homem através da palpação da sua cabeça, concluiu, depois de atenta e cientificamente a apalpar, que seria uma pessoa com um péssimo carácter e outros atributos pouco abonatórios. Só depois soube que se tratava de um general com um elevadíssimo estatuto social.

Pois eu acho o seguinte. Tivesse Franz Gall vivido no século XX e nem precisava de apalpar a cabeça de Ingmar Bergman para conhecer os conteúdos mentais do realizador no momento em que esta fotografia foi tirada. Bastaria observá-la, como eu faço agora, para ter a certeza de que foi no preciso momento em que na cabeça do génio sueco começaram a surgir as ideias para o seu Ovo da Serpente.