12 maio, 2015

DE DEDO BEM ERGUIDO

Ai Weiwei | Estudo de Perspectiva [e não de Perspetiva]

Por natureza e convicção, não sou dado a comportamentos subversivos e contestatários. Seria mesmo a última pessoa ao cimo da Terra a tornar-se revolucionária. Eu, que sou ateu, imagino-me mais facilmente no mosteiro a tratar da horta ou da biblioteca do que no meio da rua ou na sede de um partido a congeminar uma qualquer acção de luta. Mas há coisas assim como esta, bem mais fortes do que eu, que fazem despertar do seu sono a mais obscura e indomável circunvolução do meu córtex cerebral.

Eu leio a notícia e a primeira coisa que me vem à cabeça é que enquanto este blogue existir setor vai continuar a ser sector, espetador vai continuar a ser espectador, diretor  vai continuar a ser director, para vai continuar a ser pára, leem, veem e deem vão continuar a ser lêem, vêem e dêem, letivo vai continuar a ser lectivo, proteção vai continuar a ser protecção, janeiro vai continuar a ser Janeiro, contrarelógio vai continuar a ser contra-relógio, Egito vai continuar a ser Egipto, adoção vai continuar a ser adopção, pelo vai continuar a ser pêlo. Enquanto professor tenho de obedecer às ordens do que é expelido de certas desiluminadas cabeças que fazem da Língua Portuguesa o seu feudo privado onde passaram a nascer couves e cenouras podres. Enquanto homem, e apesar de não ser dado a grosserias e faltas de educação, dedico-lhes esta fotografia que, num dia como o de hoje, parece ter sido feito de propósito para eles.