15 setembro, 2014

SÓ SEI QUE TUDO SEI

Alfred Eisenstaedt |A small boy adjusts his tie before the impressive mirror in the foyer of the Grand Hotel, St-Moritz, 1932

Hípias: É exactamente nesse ponto, Sócrates, que não posso estar de acordo contigo.
Sócrates: E nem sequer eu comigo, Hípias! (...) nestas matérias, tudo o que faço é derivar ao sabor da corrente, sem jamais ter opinião certaPlatão, Hípias Menor (376 c)

O mundo está, aliás, como sempre esteve, cheio de pessoas que, ao contrário de Sócrates, concordam demasiado consigo mesmas. Eu dantes pensava que com a idade viria a concordar cada vez mais comigo mesmo, lambendo suavemente a alma com certezas, em vez de a inquietar com angulosas dúvidas. Felizmente ou infelizmente (eis uma boa maneira de conseguir não concordar comigo mesmo), fui aprendendo a boiar e, por isso, gosto cada vez mais de derivar ao sabor da corrente, fugindo da opinião certa. Para muitos, ter certezas é um descanso, como para "As senhoras de Cambridge que vivem em almas mobiladas e que têm mentes confortáveis". Para mim, um aborrecimento. Exceptuando alguns princípios básicos que considero sagrados e invioláveis, maçam-me as certezas. Como me maçam cada vez mais as pessoas que cada vez mais concordam demasiado consigo mesmas e que agem em conformidade com essa harmoniosa e bovina coerência. O mundo, como disse, está cheio delas. Eu também.