09 maio, 2014

A BICICLETA

Bill Brandt | Jarrow, 1937

Numa zona fronteiriça muito dada a contrabando, aparece um homem de bicicleta com uma mala atrás. O polícia manda-o parar e revista-lhe a mala. Mas encontra apenas areia. No dia seguinte, a mesma coisa. Volta a abrir a mala e apenas areia. E a mesma coisa durante semanas. Sempre areia, nada mais. Anos depois, já reformado, o polícia reencontra o ciclista num café e, curioso, pergunta-lhe que história era aquela da mala sempre cheia de areia. O homem, com um sorriso nos lábios, explicou-lhe que a bicicleta era sempre diferente. Ele fazia contrabando de bicicletas.
É assim que muitas vezes se desenrola a nossa relação com a verdade. Ao contrário da mentira, que pressupõe uma obstrução, uma evasão, uma ocultação, a verdade está muitas vezes, de um modo ostensivo e transparente, mesmo à frente dos nossos olhos mas sem se conseguir olhar para ela.