20 março, 2014

EVOÉ! EVOÉ!

Harry Callahan, Eleanore | Aix-en-Provence, 1951

Enquanto na natureza então a tragédia se prepara,
Bloom, distraído dos acontecimentos pelos
pensamentos, recebe o sol como um jardim
o receberia: estando quieto e feliz e ficando
mais quente. Adormece e acorda, fala com
homens, tenta entendê-los, lê muito,
experimenta teorias para tudo; procura,
por exemplo, uma teoria que lhe permita
pisar melhor a Primavera.

                         Gonçalo M Tavares, Viagem à Índia, Canto VI, 38


Ao contrário de Bloom, eu não queria uma teoria para pisar melhor a Primavera. O que eu queria mesmo era uma teoria que me permitisse ser pisado por ela.