18 janeiro, 2014

BOLETIM CRONOLÓGICO

Alfred Stieglitz | Dorothy Norman, 1933

É uma verdadeira bênção da língua portuguesa a palavra tempo ser ao mesmo tempo usada num sentido cronológico e meteorológico, coisa impossível de compreender noutras línguas. Nós, pelo contrário, já estamos determinados pela impossibilidade de pensarmos e falarmos de outra maneira.
Mas, por outro lado, acabamos por não aproveitar esta bela graça que nos caiu no colo. Por exemplo, acho um desperdício que a palavra temporal possa ser apenas usada num sentido meteorológico. A palavra mais útil e eficaz para tantos dias do calendário.