23 abril, 2013

BÜCHERWALD


               Holland House Library, Londres, 1940

Comemorar o dia mundial do livro tem, hoje, qualquer de melancólico, a melancolia própria do sentido do fim e da perda. Mesmo que ainda se faça festa, havendo alegria e foguetes no ar, o livro, num futuro próximo, será um objecto apenas destinado a uma elite que conseguirá manter a capacidade de ler. Ler, ler verdadeiramente, e não passear os olhos por informação dispersa através de um monitor, será um dia como é hoje apreciar ópera barroca ou o teatro de Shakespeare. Uma excentricidade que, se hoje ainda merece uma mistura de respeito e indiferença, no futuro estará sujeita aos risos escarninhos de escravas trácias.