26 junho, 2012

MÚSICA PARA CAMALEÕES




Paul Wittgenstein, irmão do filósofo, perdeu o braço direito em 1914, durante a guerra. Era pianista. Mas a sua vida, enquanto, pianista não acabou ali. Foi para ele que Ravel, Britten ou Prokofiev, escreveram composições para a mão esquerda, sendo a do primeiro a mais célebre. Pode-se aproveitar esta história para dizermos às crianças cuja estrutura emocional e moral queremos fortalecer, ou a pessoas fragilizadas, o clássico: "Vêem, nunca devemos perder a esperança, por cada porta que se fecha há uma janela que se abre!". Um cínico poderá não se sentir convencido e dizer que, para ser assim, teriam que existir peças para serem tocadas sem mãos. Porém, também é verdade que a música pode ser vivida de diferentes modos. Pode ser tocada. Mas para ser tocada precisa de ser composta e, para isso, com alguma imaginação, não são precisas mãos. E se a música é tocada, tal significa também que há alguém para a ouvir. E, para isso, também as mãos  não são necessárias. 
Saber viver é qualquer coisa assim deste género. Saber o que fazer com a música.