07 junho, 2012

GONÇALO M. TAVARES -VIAGEM À ÍNDIA (XVI)


Enquanto na natureza então a tragédia se prepara,
Bloom, distraído dos acontecimentos pelos
pensamentos, recebe o sol como um jardim
o receberia: estando quieto e feliz e ficando
mais quente. Adormece e acorda, fala com
homens, tenta entendê-los, lê muito,
experimenta teorias para tudo; procura,
por exemplo, uma teoria que lhe permita
pisar melhor a Primavera.

Canto VI, 38