07 fevereiro, 2012

CASACOS DE LÃ, TOBLERONE, SINTRA COM NEVOEIRO, GOLOS DO CARDOZO, SEI LÁ

                             

Interessante esta ideia de descobrir os principais lamentos das pessoas na hora da morte. Contrariamente ao que possa parecer, não se trata de morbidez mas de um exercício interessante. Interessante, claro, para se fazer enquanto se está bem vivo. Epicuro dizia que não devemos ter medo da morte pois se pensamos nela é porque estamos vivos e morrer implica deixar de pensar nela. Portanto, nunca chegamos verdadeiramente a encontrarmo-nos com ela. Isto parece óbvio. O que já não parece tão óbvio é o nosso encontro com a vida. Não podemos estar mortos e pensar na morte porque um morto não pensa mas é perfeitamente possível estarmos vivos e não pensarmos na vida apesar de uma pessoa viva pensar. E a intensidade de uma pessoa viva a pensar na vida deve ser inversamente proporcional à (ausência) de intensidade de um morto a pensar na morte. Estar vivo é bom. Mas estar vivo não implica saber viver.