09 janeiro, 2012

O DESPREZO


Bogart está calmamente sentado perante o tabuleiro de xadrez, aparentemente alheado do que se passa à sua sua volta. Entretanto, Peter Lorre, com o habitual arzinho de réptil nojento, senta-se na sua mesa e começa a puxar conversa. Bogie não lhe liga nenhuma, expelindo apenas uns monossílabos de circunstância. Passado algum tempo, e apercebendo-se da sua insignificância, Lorre não resiste e acaba por perguntar: "Você despreza-me, não despreza?". A resposta de Bogie é magistral: "Se pensasse em si, desprezava-o".
É muito violento ser desprezado por alguém. As pessoas gostam de ser amadas, admiradas, desejadas, elogiadas. Porém, desprezar alguém tem qualquer de paradoxal. Desprezar uma pessoa pressupõe uma dependência face a essa pessoa, tal como o amor ou a paixão. A pessoa que odeia outra está tão dependente dela como se a amasse. Odiar visceralmente alguém significa pensar nessa pessoa de uma tal maneira que acabamos por instalá-la bem dentro da nossa vida e consciência. A pessoa que odiamos está tão dentro de nós como aquela que amamos. E quanto mais a odiamos mais dependentes estamos dela. Com o desprezo passa-se o mesmo. Desprezar alguém pressupõe uma consciência da existência da pessoa que desprezamos, isto é, pensar na pessoa que desprezamos. E pensar numa pessoa é viver com essa pessoa, é fazê-la entrar dentro da nossa vida.
Por isso, a resposta de Bogie é ainda mais violenta. Bogie não despreza o abjecto Lorre porque nem sequer se dá ao trabalho de pensar nele. Se pensasse, desprezá-lo-ia, mas nem sequer perde tempo a pensar nele.  Afirmar que o despreza, representaria um elogio para o desprezado, estaria a valorizar a sua existência. Quando um judeu sente desprezo pela figura de Hitler, isso significa que Hitler é uma figura importante para ele. Para um racista que sente desprezo por pretos, os pretos ocupam na sua consciência um lugar importante.
É neste sentido que o ódio e o desprezo têm tanto de auto-destrutivo como o amor e a amizade têm de  auto-construtivo. Adormecer a pensar em alguém significa adormecer com essa pessoa. Acordar a pensar em alguém significa acordar com essa pessoa. Conduzir, estando a pensar em alguém, significa viajar com essa pessoa. Almoçar, pensando em alguém, significa almoçar com essa pessoa. Passear a pé, pensando em alguém, significa passear a pé, tendo como companhia essa pessoa.
Reservemos esses momentos para as pessoas de quem gostamos ou amamos e não para aquelas que sobre  as quais pensamos ter razões para desprezar. A vida é demasiado curta e não há tempo a perder.