06 janeiro, 2012

GONÇALO M. TAVARES - UMA VIAGEM À ÍNDIA (XII)


Bloom fala, escreve, ouve, é um facto,
mas tem também dois olhinhos:
gosta de ver uma mulher que se despe,
um homem que salta, o animal que corre com medo,
a trovoada e a chuva forte (quando as vê dentro de casa),
gosta, enfim, de estar vivo,
desde que, claro, o próprio corpo, esse estúpido,
não o moleste.

Canto V, 100