13 novembro, 2011

UNIÃO EUROPEIA


                                                                          Dick Sanders

Há qualquer coisa de estranho nesta mulher. Uma mistura de decadência e de sedução, como se a sedução pudesse ser decadente e a decadência pudesse ser sedutora. É fácil imaginá-la ainda antes de sair de casa em frente a um espelho para pintar os olhos. Ou a calçar os seus saltos altos que aqui não se vêem. Também o vestido aberto nos impede de esquecer um outrora ubérrimo peito no qual se deleitaram miúdos e graúdos. Há, no seu rosto, uma ainda resistente beleza que teima em não querer desaparecer.
Mas, depois, tudo nesta mulher é queda, perdição, desorientação, choque entre uma vaidade passada e uma escuridão futura.
Quantas vezes, na história, o poder caiu na rua? Pois é na rua que esta mulher já deve estar.