30 novembro, 2011

MAR E MAR


                                                               Géricault | A Jangada de Medusa

Num livro sobre os hinos de Hölderlin, diz Heidegger que a luta pela poesia no poema é a luta contra nós próprios. Porquê? Porque, diz ele, "na medida em que na trivialidade quotidiana do ser-aí, estamos expulsos da poesia, estamos sentados na praia cegos, coxos e surdos e não vemos nem ouvimos nem sentimos a ondulação do mar".
Pois, só que Hölderlin, como se sabe,  morreu louco. O mar, por vezes, enlouquece. Percebe-se assim melhor por que razão o Evangelho enaltece os pobres de espírito. Jesus curava cegos, coxos e surdos mas eram outros cegos, coxos e surdos e não aqueles de que fala Heidegger.
Eu gosto do mar. Mas há mar e mar, há ir e voltar.