17 fevereiro, 2011

MAU HÁLITO


Diz Oakeshott, em Politics of Faith & Politics of Scepticism que um bom governo deve ser como o alho na comida: só se deve dar por ele quando falta. Presumo que, neste sentido, o mau governo será aquele que deixa os cidadãos com um péssimo hálito a alho.
Pois, é assim que eu me sinto desde que o engenheiro tomou conta dos destinos da pátria. A necessidade que eu tenho de esfregar bem os dentes e bochechar com um bom colutório para finalmente ficar com um hálito fresco. O grande problema é a falta de bons colutórios na farmácia.

6 comentários:

jrd disse...

Bem queria parecer que este governo era uma espécie de açorda intragável.

Sedentário disse...

Essa CACOSTOMIA que por sinal é imundice de quase todos os governos nasce da falta de higiene deles para com seu país. ABRAÇOS!

José Ricardo Costa disse...

Caro Sedentário, um abraço também para si.

JR

jrd disse...

Diz-se que o "alho Rogoff" faz bem à memória. Será que quem não tem mau hálito anda esquecido (pelo governo)?

(Já lá tem uma réplica)

Alice N. disse...

Já percebi por que razão falar ou ver o engenheiro me causa tanta azia. As farmácias também não resolvem o problema. Só mesmo se o bo(l)bo se pusesse na alheta...
(A expressão não é grande coisa, mas para quem é basta e a azia é mesmo assim. :))

ANA disse...

A propósito deste assunto estou completamente de acordo com o meu tio. Esta nossa postura em relação ao engenheiro não passa de ingratidão.
http://sabordabeira.blogspot.com/search?updated-max=2011-01-16T22%3A59%3A00Z&max-results=8