03 dezembro, 2010

«OS MORTOS DEVEM SER PUROS. OUVI DIZER QUE RESPIRAM. CORREM PELO ORVALHO DENTRO, E DEPOIS ESTENDEM-SE. AJUDAM OS VIVOS. SÃO DOCES EQUIVALÊNCIAS, LUZES, IDEIAS PURAS. VEJO QUE A MORTE É COMO ROMPER UMA PALAVRA E PASSAR.»

[para a Ana]

1 comentário:

José Manuel Vilhena disse...

Um belíssimo texto!
:)