02 outubro, 2010

OS OLHOS DE ADÃO


                                                                    Francisco de Holanda

Como bom platónico e homem do Renascimento, dizia Francisco de Holanda que o pintor deve vendar os olhos para não perder as imagens das ideias. Ou seja, o mundo não deve ser visto com os olhos da cara mas com os olhos da alma. Cá está Platão fazendo estragos. O nosso mundo não passa de uma cópia impura e imperfeita de uma realidade ideal projectada por um Artífice apaixonado pela matemática e geometria. Daí o nosso Franscisco de Holanda defender que quanto mais o pintor usar os olhos da cara menos verá com os outros.
Eu tenho uma visão diferente. Penso que os pintores, de facto, devem vendar os olhos. Muito tempo, se possível. Mas para que, depois, quando voltarem a ver o mundo o possam ver melhor. Talvez vê-lo como Adão o via. Pintar como quem faz geometria é um enorme aborrecimento. Adão, de geometria, devia entender pouco. Poderia ter sido um bom pintor.

7 comentários:

jrd disse...

Mas se o Adão só tinha olhos para a Eva!?...

josé manuel chorão disse...

O Adão não é exemplo para ninguém: começa logo porque o sortudo nunca teve sogra, já que Eva não tinha mãe; depois, porque, sendo Eva a única mulher, não havia cusquice com as amigas nem compras, dedicava todo o seu tempo a mimar o marido; para além disso, andava sempre nua (era o Paraíso...); e tu queres pôr o homem a pintar quadros? Estarás a insinuar que Adão era larilas???

José Ricardo Costa disse...

Mas o Adão bem podia pintar a Eva. O nu artístico é um dos grandes motivos da história da arte. Mas primeiro teria que a vestir. O nu só tem graça porque as pessoas se vestem.

estela disse...

ou eu não percebi ou tu baralhaste as coisas. onde é que na caverna está um atífice a projectar uma realidade perfeita que vemos sombreada e distorcida?????
é que Platão não é gajo para estragar nada ;)

José Ricardo Costa disse...

Andas pouco mal, andas! Onde é que eu disse que o artífice projecta uma realidade perfeita dentro da caverna? Evidentemente que na caverna não há artífices nem as sombras são criadas pelo artífice. Por isso é que para Platão não vale a pena abrir os olhos dentro da caverna. Para ver o quê? O que se deve fazer é fechar os olhos, sair da caverna e, a pouco e pouco, abri-los até estarem aptos para contemplar a luz do Sol. É lá em cima que se percebe tudo, não à frente dos olhos. Eu porém, gosto mais daquele Aristóteles que o Rafael pintou na Escola de Atenas.

estela disse...

ok. platão e aristóteles - ou tu e eu ;) - separados por um ponto final. assim está bem ;)
e sim, ando pouco mal, ando!

addiragram disse...

Os olhos do espanto.