12 junho, 2010

O PROFANO E O PROFANO


Há uma cena no Indiana Jones em que um árabe, histérico, ameaça o Harrison Ford com os movimentos espampanantes de uma espada e uns gritos estridentes, como se fosse um gorila do Ruanda a bater no peito. Harrison Ford, calmo e com o ar de quem come tranquilamente amendoins, puxa de uma pistola e zás, atira o pobre árabe para o chão.
No Público de hoje, Pedro Mexia fala do Santo Sudário, o lençol que durante séculos se pensou ser o que cobriu o corpo de Cristo no túmulo. O próprio papa Júlio II, no século XVI, reconheceu a sua autenticidade. Os testes de Carbono 14, porém, revelam que o Sudário é do século XIII ou XIV, 1300 ou 1400 anos depois de Cristo ter falecido.
Não é tradição os cientistas irem para os laboratórios de pistola no bolso. Mas, a verdade seja dita, muito do que se fez em laboratórios ao longo da história teve o mesmo efeito de uma pistola apontada ao peito de um orgulhoso e inchado árabe de espada na mão.

4 comentários:

Margarida disse...

Science it's a bitch...

jrd disse...

Não quero profanar, mas estou a gostar.

Alice N. disse...

E quantos não apontaram a arma para ciência, por preferirem uma mentira confortável a uma verdade dolorosa. Eppur si muove...

Margarida Fernandes disse...

Caro José Costa,

Agradeço a sua passagem no meu blog e a "critica" que lá me deixou. Aceito-as sempre, quando são construtivas.

Quanto ao facto de pôr marca d´água nas fotografias, sinceramente também não gosto muito mas já tive o dissabor de ver fotografias minhas serem utilizadas sem me pedirem autorização.
Quando alguém pede, não nego em ceder alguma(s) mas "roubar" é que não posso admitir.
Sou uma fotografa amadora, sem pretensões mas é com muito carinho que dedico algum do meu tempo livre á fotografia e não posso permitir que situações como a que lhe contei aconteçam.

Obrigada, mais uma vez.

Volte sempre.

Resto de um bom domingo