14 junho, 2010

MÁ VENTURA

Por uns destes dias, dizia-me uma colega, daquelas que são compreensivas, tolerantes, maternais:
- Tu és assim tão brava porquê? Não podias, às vezes, ser mais mansinha?
- Ora, quero lá saber, não tenho pretensões a herdar a terra.
Abriu um olhar ainda mais tolerante.
- A catequese, rapariga? -disse eu - As bem-aventuranças : bem-aventurados os mansos, porque esses herdarão a Terra.
Ela, como gosta muito de mim, limitou-se a encolher os ombros:
- Só dizes disparates!
Mas a impenitente materialista que há em mim tem andado a matutar, que questão sucessória nunca é questão de somenos importância.
Como alguns sábios teólogos e ilustres causídicos passam por aqui de vez em quando, peço-lhes conselho, que isto só lá vai com o concurso de ambos.
Valerá a pena tentar ser mansa a habilitar-me à Terra, nem que seja a benefício de inventário? Deixo-me ficar assim, de mau feitio em riste, e nem tampouco concorro à herança?

2 comentários:

marteodora disse...

Primeira questão:
NÃO!
Segunda questão:
SIM!
Ao menos é genuína e eu gosto disso!

helena disse...

Os meus melhores professores eram como a Ivone...