21 junho, 2010

EM NOME DE TODOS OS ALUNOS QUE HOJE FAZEM EXAME

(Este post é susceptível de ferir a sensibilidade de algumas pessoas)
Hoje, é o exame nacional de Matemática do 12º. Eu tive de ir, por instantes, à escola, resolver um assunto. Enquanto saía, vi ,espalhados ao acaso, algumas mulheres e alguns homens. Fez-se-me luz: eram pais de alunos em exame.
Junto ao meu carro, estava uma senhora com um ar estranho, indefinível, uma mistura de pânico e de ansiedade. Tive de perguntar:
- Desculpe, precisa de alguma coisa?
Demorou uns instantes a responder e depois as palavras soltaram-se de um jacto:
- Sabe, minha senhora, o meu filho está a fazer exame ... é o futuro dele que está em jogo ... é bom aluno ... ele estudou, eu paguei muita explicação, ele sabe, diz para eu estar calma ... mas eu sei, parece que, às vezes, os exames se viram contra eles ... não estou aqui a fazer nada, não posso fazer mais nada, mas não consigo ir-me embora ...
Conta, mulher, conta uma história que eu já sei. Quantas vezes, a 100 km de distância, eu quase conseguia sentir os integrais triplos, a entropia, a biologia celular e molecular, as leis da termodinâmica a empenarem na folha de exame do meu filho. Eu conheço aquela mulher, como diria o Romeiro, "Como se me visse a mim mesma num espelho."
Claro que tentei sossegá-la, que tudo ia correr bem, que estivesse tranquila. Não lhe disse, claro, que, daqui para a frente é que as coisas iam começar a doer.
E ela ficou lá. E ficaram outras mães e outros pais.
Ser mãe é isto: é sentir que a nossa respiração já não tem o nosso ritmo mas o ritmo da respiração deles. Quem não for capaz de sentir isto, quem estiver a dormir enquanto um filho faz o exame de Matemática, nunca devia ter sido mãe, devia ter as entranhas secas como uma terra amaldiçoada.
E quem, neste país, tenha obtido qualquer grau académico sem ter passado por esta Via-Sacra de sacrifícios, dor, sofrimento, ansiedade, amargura, frustração e lágrimas, devia esconder a cara com vergonha.

2 comentários:

AnaT disse...

deviam ser todas assim. Todas as maes e pais...
Felizmente eu tive essa bençao!, quando saia de um exame a sorrir e encontrava o rosto da minha mae com um pouco de panico e de alivio ao ver o meu sorriso...e mesmo nos tempos mais dificeis na faculdade tive sempre os meus pais ao meu lado, mesmo nao me pudendo ajudar no meu trabalho e no meu estudo, estavam la ao meu lado nem que fosse para me fazer uma sopa, lembrar-me das minhas capacidades e dar-me confiança ou a acordar-me às 6 da manha por telemovel com medo que eu faltasse ao exame. Sei la foram tantas historias e tantos episodios de alegria e ansiedade...
Este é o exemplo que eu tenho e sei bem que vai ser muito dificil fazer o mesmo, mas so quem é mae é que entende.
Todos os pais deviam ser assim...pois como diz o sucesso futuro sem esse sacrificio, sofrimento e ansiedade nao existe, nao tem valor.

beijinho

foresteronhighheels disse...

A minha mãe preocupava-se, sim. Mas sempre que eu ia para um exame dizia sempre: " É claro que te vai correr bem, estudaste, vai correr bem." E geralmente corria.
Não consigo sequer imaginar a minha mãe à minha espera à porta do liceu. A acontecer isso seria sinal que a sua fé em mim estaria abalada. E por arrasto também a minha mais tarde ou mais cedo estaria.

Já agora: "devia ter as entranhas secas como uma terra amaldiçoada." É de facto forte. Lembra-me logo aquilo em que falhei à minha mãe e à minha avó e à minha bisavó, sem que para isso tenha concorrido nada mais do que o acaso, a anatomia e o meu azar.