02 março, 2010

O PROBLEMA DE FAUSTO: MÚSICA E LOUCURA NA VIENA DE MAHLER


Na passada sexta-feira fiz uma viagem de carro durante a qual vim a ouvir a 5ª Sinfonia de Mahler. Deus do céu, como eu entendo esta discussão. O que faz falta no mundo não é gente demasiado saudável de aparelho nos dentes. O que faz falta no mundo são umas belas neuroses.

5 comentários:

Alice N. disse...

É mesmo caso para dizer que há neuroses que vêm por bem.

jrd disse...

Umas boa dentadura é sempre útil, mas não há nada que chegue a um 'neurótico depressivo', sobretudo se for um génio...

estela disse...

e mais umas quantas Alma Mahler ;)

maria disse...

e uns loucos fabulosos...

Rita TSBGC disse...

Sou lenta e matuto...
Trouxe o seu pensamento para a lareira e estivémos a desmontá-lo...
pois bem, o facto de não sermos terráqueos permite-nos algumas alarvidades intelectuais!
Concordo com o que diz, as neuroses, são estados criativoos em potência, aliás o desequilíbrio é o ponto de partida mais importantes do acto criativo.
O problema são as neuroses de quem não gera nada mas que imagina que por ser/estar neurótico se transfigura numente criador/criativo: passo a explicar, a democratização da neurose trouxe consigo uma legião de imbecis proto-artistas, rara é o ser humano que não tem a veleidade de afirmar, entre 2 copos de absinto :
- sabe eu também sou um bocadinho artista...
Imaginemos milhares de Thomas mann, gajos que se acham propensos à atitude criadora só porque estão com a neura...
Lamento mas não tenho paciência, aliás proponho mesmo a toma compulsiva de anti-depressivos após realização de testes psicotécnicos que atestem a ausência de traços de criatividade pertinentes!
Tratem dos neuróticos estéreis e não intervenham nos loucos criativos!!!