16 fevereiro, 2010

MOSCOVO


(Macha): Felizes daqueles que não se apercebem se é Verão ou se é Inverno. Se eu vivesse em Moscovo, creio que também me seria completamente indiferente o tempo que estivesse. A. Tchekov, As Três Irmãs

Quem é feliz gosta do calor do Verão e do frio do Inverno. Gosta da chuva, do vento, do nevoeiro mas também do azul do céu, da sombra da árvore e da água que mata a sede. Macha em Moscovo não ligaria ao tempo pois seria feliz lá e quem está feliz vê o tempo como uma extensão da sua felicidade ou a sua felicidade como uma extensão do tempo. Porém, nós, portugueses, atravessamos a vida a lamentar o tempo. Está sempre calor ou frio demais. A chuva é um incómodo mas se não chove os Invernos já não são o que eram. Se está muito calor em Agosto, o Outono nunca mais chega. E em Fevereiro as pessoas queixam-se do frio que faz.
Por favor, alguém pode dizer a esta gente onde fica Moscovo?

9 comentários:

Ana Paula Sena disse...

O problema é que eu não sei se sobreviveria em Moscovo!
Mas, claro, é tudo uma questão de hábito também. Nós estamos habituados a climas temperados :), aliás em tudo temos, geralmente, uma certa temperança. Se é bom ou mau, sempre será de debater...

estela disse...

A foto é excelente. O sofá sugere o conforto do frio e o tom da imagem, mais o nível a que foi tirada a fotografia fazem adivinhar um belíssimo parque lá atrás e o sol de Verão a pisar o chão ao de leve.

Mas a foto engana!

Viver em Moscovo seria a felicidade. Por isso é que o Tchekov passou a vida em curas no sul. Quem é feliz está-se nas tintas para o tempo que está. Aproveita e tem mais que fazer.

Por isso, Yé Ricardo, não adiantaria de nada irem todos para Moscovo. O que os portugueses precisam é de felicidade!

marteodora disse...

Caro JR,
passo a explicar:
Não gosto do Inverno. Adoro o Verão, o calor e, de preferencia, o calor numa praia na qual se possa tomar umas banhocas refrescantes sem correr o perigo de ser arrastada por uma onda de surfista ou pior, morrer de choque térmico.
Não obstante, se estamos no Inverno, não me apraz sentir o calor do Verão. Gosto até do frio, de estar em casa, do aconchego da lareira e do cheiro a fumo que, por vezes, se sente nas ruas.Gosto de ouvir a chuva a cair se estou no quentinho e no conforto da minha casa.
Porém, se estou numa de sair, passear, dar um giro, ver coisas novas, comer coisas boas em restaurantes que se conhecem numa terra qualquer deste Portugal, detesto a chuva. Essa coisinha incómoda que não me deixa sair do carro para fazer umas fotografias, por exemplo. Que nevasse, pronto. Já não me importaria.
Ao menos em Moscovo a neve é bem mais provável!

Margaridaa disse...

...nem era preciso Moscovo, uma estadia na Bélgica, onde o Inverno é um longo túnel...
Considero-me uma pessoa feliz. No entanto, quando chegam aqueles dias em que já não é preciso vestir roupa e mais roupa, se veste uma t-shirt, talvez se solte o cabelo, e brilha o sol e... ah, é um prazer!


(Eu lembro-me, quando aí vivia, que em fevereiro havia dias onde já se podia vestir manga curta sem medo.)

Aqui, (na Bélgica), o tema "metereologia" é um assunto recorrente, e sempre presente nas conversas de quem não tem muito para dizer. Não é só aí.

addiragram disse...

A depressividade portuguesa não permite descobrir a beleza de cada uma das coisas e de todas elas. Sentimo-nos em des-sintonia permanente com o que nos envolve.

jrd disse...

A nossa pequenez não nos permite ir além de Moscavide e das inundações cíclicas, que só fazem infelizes.

hg disse...

Tem razão, Ricardo. Eu gosto das quatro estações.

Miguel e Rita Clara disse...

"As três irmãs" é talvez uma das mais fortes das minhas leituras cíclicas, li-a aos 21, aos 30 e agora.
Elas nunca voltam para Moscovo...
Portugal é deprimido por natureza, assenta-nos melhor a procissão que a festa, a temperatura ( a tal que está nas mãos do S Pedro) é uma desculpa para o mal estar interior de quem se sente sempre vítima e não personagem actuante.
Agora, para nossa felicidade, temos alertas, uma fantástica forma de nos manter imóveis, interiores e incapazes, se fosse paranóica, até diria que era suma forma de um governo impedir a rebelião...
-Então é amanhã que avançamos?
- Não, amanhã não pode ser porque o IM está a dar alerta amarelo...
- Ah, então quado o tempo melhorar logo nos revoltamos...

Fred disse...

Pois, realmente frio a sério é mesmo em Moscovo.

Um abraço!