24 fevereiro, 2010

BELEZA SHOPPING

Ontem, no Público, José Vítor Malheiros, falava de uma entrevista feita há anos ao director do programa FAST (Forecasting and Assessment in Science and Technology) da Comissão Europeia. Perguntando-lhe o jornalista qual a estratégia de desenvolvimento que Portugal deveria adoptar, respondeu: "Portugal devia apostar na beleza!"
Lendo isto, lembrei-me da penúltima vez que estive na livraria Lello, há um ano e tal. Andava eu por lá a ver os livros quando dou com um italiano, exuberante, a dizer "Bellissimo! Bellissimo!". Entretanto, já não sei como, começámos a conversar e fiquei a saber que era de Florença. Ora, ver um italiano de Florença maravilhado com uma livraria portuguesa é qualquer coisa que dá que pensar.
Será que, no princípio do século XX, quando foi aberta a livraria Lello, ousariam pensar que, no século XXI, iria ser um dos pontos mais procurados pelos turistas de mapa na mão? E o que procuram, hoje, no Porto, os turistas, que tenha sido feito pelas novas gerações? O NorteShopping? O Arrábida Shopping? O Gaia Shopping? Não. A Casa da Música e o Museu de Serralves.
Não é preciso dizer mais nada, pois não?

1 comentário:

Alice N. disse...

Paralelamente, também há muitos portugueses a fazerem turismo nos grandiosos centros comerciais - para muitos, verdadeiro motivo de orgulho nacional. Se não fossem tão procurados, não cresceriam que nem cogumelos. Enfim, faz parte do turismo e desporto nacionais. Estão no seu direito, é claro, mas isso também explica muita coisa.