21 janeiro, 2010

MATINAS

A noite há-de estar clara.
Se eu fosse à janela
veria ainda a geométrica forma
em que as estrelas se ordenam.
Aqui, este escuro aveludado
não me deixa ver as constelações
que as sardas formam no teu rosto.
Não importa: sei-as de cor.
E das tuas pernas entrelaçadas nas minhas
até a Estrela d´Alva teria inveja.

2 comentários:

Reinaldo Amarante disse...

Uau!
Cada vez gosto mais. Isto promete.
Venha o resto que "... a (noite)manhã inda é uma menina..."

jrd disse...

Lindo!
No doce repouso do amor, é bom ficar mais um bocadinho...