27 janeiro, 2010

C


Eu fui sempre muito picuinhas com os erros ortográficos.
Hoje, estava a corrigir testes e leio a palavra "exatamente". De imediato, sublinho a palavra a vermelho. Entretanto, apercebo-me do disparate pois a palavra passou a estar correcta. Tenho a certeza de que a aluna não escreveu a palavra assim por causa do recente acordo ortográfico. Escreveu-a simplesmente porque não sabe escrever.
Ou melhor, não sabia. Agora, sem ter nada feito para isso, passou a saber e quem deixou de saber fui eu, tendo-a sublinhado a vermelho.
Também a História está cheia de processos assim. De períodos nos quais quem estava errado passou a estar certo e quem estava certo passou a estar errado, nos quais os vencidos passaram a vencedores e estes a vencidos.
Hoje, ao corrigir este teste, senti-me derrotado. O poder que eu tinha sobre esta aluna e que me permitia sublinhar o seu erro a vermelho deixou de existir. E quando amanhã voltar a escrever "exatamente", irá continuar a viver na mesma mediocridade em que vivia, sem sequer ter consciência de ter passado da mediocridade à normalidade.
Também na História, quantas vezes os piores, os fracos, os medíocres, chegaram ao poder e fizeram da sua fraqueza lei universal, reabilitando o mal que, tempos antes, era alvo de rejeição?

12 comentários:

jrd disse...

Um excelente texto. A Clarividência com "C" grande. Quanto à união de fa(c)to entre o 'c' e o 't', vai mesmo acabar, por muito que nos custe.
bfs
Abraço

Anónimo disse...

Para sua consolação (efémera), o acordo ortográfico ainda não está em vigor.
J B Lemos

Daniel Silva (Lobinho) disse...

Precisamente. Belíssimo sentido de oportunidade e sobretudo de reflexão a partir de uma correcção. É verdade. Agora as certezas são outras...

Unm abraço

C.M. disse...

Dramático! Senti-me angustiado, perante este seu texto, tão verdadeiro!

Ricardo Riobom disse...

Pergunte ao Estaline! Ele percebe disso!

Vera disse...

Muito pertinente e oportuno o seu comentário... O vosso blog é excelente, variado, interessante, actual.
Obrigada.
Abraço
Vera

Anónimo disse...

Yay!

lira disse...

Nem mais... Revoltante.

Margarida disse...

E não se pode ignorá-lo?!
Eu não pretendo prescindir do que aprendi.
Teimosia?- que seja.
Há coisas que...brrrrrrr...
Não mudo.
Não mudo e pronto!
(... já os professores..., pois é..., que drama... - mais um, aliás! -)

Austeriana disse...

Aliás, quando o acordo ortográfico entrar em vigor, o erro será «exatamente» o «exaCtamente»!

Fred disse...

Pois é...

Nós é que descobrimos o Brasil e agora vamos ter de ser nós a falar o Português deles.

Um abraço!

Alice N. disse...

O acordo ortográfico põe-me doente. Posso ser conservadora, mas sinto que é mutilar a língua, como outros sentiram com outros acordos, bem sei... Tenciono apenas seguir o acordo nas aulas, quando a isso for obrigada. Creio que vou demorar muito mais a corrigir testes e trabalhos... Vai ser um horror. Fora desse contexto, tenciono continuar a escrever exactamente da mesma forma, mas admito que vai ser confuso.