28 novembro, 2009

O CORSÁRIO

Oscila sempre
no horizonte líquido da tarde
a rosa-dos-ventos
gravada a luz
no ponte deste regresso.

Perdida a bruma e a rota esquecida,
estranha é a ilha, íntimo o cais.

3 comentários:

Micha disse...

Consigo visualizar tao bem mas infelismente sou incapaz de produzir tal imagem. Simplesmente magnifico! Parabens

marteodora disse...

Não sei de que tenho mais inveja: se das fotos do JR ou se da poesia da Ivone.
Se há coisa que admiro é esta capacidade de usar as palavras desta forma simples mas brilhante.

jrd disse...

Abordagem poética.