03 novembro, 2009

AGENDA OCULTA

Lamentava-me hoje perante um amigo de que ando cada vez mais distraído, esquecido e despistado. Ele, compreensivo, dizia-me que deveria arranjar uma agenda para registar as coisas mais importantes. Ele pode ter a sua razão. Mas para quê estar a anotar tudo o que há de importante para fazer e não esquecer, se tenho a certeza de que ao fim de dois dias já terei perdido a agenda?

7 comentários:

jrd disse...

Mas vale a pena, sempre serão dois dias sem falhas e, o que é mais importante, sem perder a face.
Depois, é só arranjar outra agenda e assim sucessivamente.

Margarida disse...

Isso é malaise generalizada (e, concorso, francamente assustadora...).
Uma agenda electrónica (agenda do outlook, p.ex.) e os bips do telemóvel têm feito maravilhas por mim... ;)

Alice N. disse...

:))
Como o compreendo! Também sou assim desde que me conheço. Felizmente, há uns bons estratagemas (por vezes aborrecidos, é certo) para evitar males maiores. Eu demorei a render-me, mas hoje já não passo sem o meu pequeno bloco (anda sempre na pasta, para não se extraviar), os coloridos post-it, lembretes do telemóvel e afins. E lá vai resultando menos mal...
Enfim, coragem, José Ricardo! :))

Nefertiti disse...

Olha, Ricardo, sou bastante despistada e nunca tive agenda, nem nada parecido. A única coisa que tenho do género é o despertador que me lembra que começou mais um dia cheio de coisas para lembrar, esquecer (também acontece) e fazer.

marteodora disse...

Oh meu caro,

preocupante o teu caso? Estarás, por ventura (digo eu) a ressentir-te do passar dos anos? Ou, por outras palavras, isso não será da idade (eh,eh,eh)???

Pronto, pronto, já chega. Não me insultes mais, por favor.

Tenho uns comprimidos que tomo, desde Julho. Um por dia. São de magnésio, e olha não sei se é pura sugestão, mas o que é facto é que não ando tão cansada como há uns tempos.

Os lembretes do telemóvel também ajudam...
E as melhoras,

Margarida.

José Ricardo Costa disse...

Caro jrd e minhas queridas amigas, agradeço o vosso apoio e solidariedade. Confesso, no entanto, que tenho de me conformar com as sábias palavras de Kant, que nos diz que de um lenho retorcido dificilmente se pode fazer alguma coisa de direito.

JR

jl disse...

(Como é que foi?...)
Ah!
Ontem dizia eu qualquer coisa assim:
Pois eu sei que esse mesmo amigo lhe disse, no fundo, que não se preocupasse com isso: esses despistanços e essas distracções e esses esquecimentos são um normal atributo do filósofo que está em si...

Com ou sem agenda, não há-de acontecer nada de grave.