20 outubro, 2009

DE NOVO A HOLANDA

Não consigo deixar de ficar perplexo com esta notícia. O eurodeputado exorta José Saramago a renunciar à cidadania portuguesa, tendo vergonha de o ter como compatriota devido às suas imbecilidades e impropérios. Considero esta atitude bastante pedagógica. Fiquei a saber que um verdadeiro português não poderá pensar que a Bíblia é um manual de maus costumes e um catálogo de crueldades. Se pensar, já não é bom português. Bom, bom, será o deputado escrever um manual onde ensine aos portugueses o que deverão ou não pensar para poderem ser bons patriotas. Talvez assim eu já não tenha que emigrar para a Holanda

3 comentários:

estela disse...

e mais. como o sr. deputado se sente envergonhado de ser compatriota de fulano tal, é ao tal fulano que que cabe deixar de ser seu compatriota. valha-nos deus nosso senhor! que se deve estar a divertir imenso com isto tudo.

saramago é um velhote muito punk.

Alice N. disse...

Já agora, porque não uma fogueira, à boa maneira inquisitorial? Talvez o senhor deputado visse a sua raiva amainada e sede de sangue saciada. São reacções dessas que me envergonham como portuguesa, ainda mais quando provenientes de representantes políticos que deveriam dar o exemplo e defender, acima de tudo e melhor do que ninguém, os valores da democracia.

Saramago que critique o que entender e critique Saramago quem quiser refutar os seus argumentos. Isso, sim, só faz bem à democracia. Sempre que os homens discutem livremente, no respeito pela diferença, "o mundo pula e avança". Não admitir um país plural e querer banir as pessoas pelas suas opiniões é que é grave, muito grave. E não importa se consideramos essas opiniões absurdas ou não. Ou a liberdade de expressão é só para fazer de conta, para ficar bonita no papel? E, afinal, há temas intocáveis? E falamos nós, europeus, de certo fundamentalismo islâmico! Como é que este país há-de avançar se não se pode sair do "politicamente correcto"?

addiragram disse...

Um "pensamento" irrepreensível!