16 outubro, 2009

ABELHAS, ABELHINHAS E ABELHÕES


A Fábula das Abelhas, que tem ainda o subtítulo de Vícios Privados, Públicas Virtudes, é uma obra de Bernard Mandeville, publicada em 1705, na qual defende a ideia de que vícios privados como a ganância, a luxúria, a vaidade, beneficiam a sociedade no seu todo.
Deveria ser de leitura obrigatória para o pessoal da CDU e do BE. Para entenderem que é à necessidade que alguns sentem de andar em carros de luxo, vestir roupas de marca e comer em restaurantes interditos a comuns mortais, que se deve o emprego de muito operário, incluindo o dos próprios delegados sindicais. Os quais, sejamos justos, fazem sempre falta. É que há abelhas que se transformam facilmente em abelhões.

1 comentário:

Margarida Graça disse...

POis... A democracia tem destes atavios... Todos iguais, todos diferentes... E entretanto, um Audi para uma abelha é exactamenste o mesmo que um Audi para um abelhão!... Acontece que uma abelha é uma abelha e um abelhão é um abelhão!