20 setembro, 2009

O SOCRÁTICO KARADZIC



Sempre embirrei com Daniel Sampaio, esse psiquiatra oficial do regime que ganha dinheiro a escrever banalidades sobre a escola, os jovens, as famílias. Hoje, na PÚBLICA, diz que vai votar no PS. Diz que o governo "cometeu erros mas merece uma segunda oportunidade". Ora, qual é seu principal argumento? É este: "Os debates mostraram que Sócrates não tem rival em eficácia televisiva". Ok, eu escrevo outra vez: "Os debates mostraram que Sócrates não tem rival em eficácia televisiva". E continua: "Combativo, bem informado, acutilante na crítica e seguro na defesa".

Ou seja, o psiquiatra do regime confunde qualidade política e governativa com tácticas de guerra e combates de boxe (Agoro percebo melhor o inefável Karadzic). E mostra-se rendido à eficácia berlusconiana do engenheiro, um mero produto de marketing criado desde muito cedo nos laboratórios do PS, apenas interrompido para assinar projectos arquitectónicos no distrito da Guarda.

Mas mais espantoso ainda é o facto de dizer que, apesar dos erros, vai dar uma segunda oportunidade a esta execrável pandilha socrática. Um homem que defende tanto a importância dos professores, dos jovens, da escola, vai dar uma segunda oportunidade a quem, durante quatro anos, arrasou a escola pública, cuspiu nas caras dos professores e tudo fez para tornar os jovens portugueses cada vez mais ignorantes, analfabetos e irresponsáveis.

10 comentários:

Austeriana disse...

Estou basbaque!
O irmão de Jorge Sampaio levou o ano inteiro (já não me lembro se também o fez em 2008) a criticar as políticas educativas da
Min-edu e as orientações do 1º ministro. Agora vem fazer declaração de voto com argumentos bseados na «telegenia» socrática?

Isto deve ser efeito de andar a ler Whitman ("I am large. I contain multides")...

Margarida Graça disse...

Concordo absolutamente!

Esse psiquiatra devia ter vergonha do que deu ao país nas três últimas décadas. O meu 1º ano no ensino, depois da profissionalização, correspodeu ao seu apogeu nas coisas da educação. Li quase todos os livros dele, tenho acompenhado o seu percurso, e só vejo vazio em crescendo. Em 1987 esteve num conselho de turma onde estive e, depois de banalidades, nada mais acrescentou. Um senhor que fala de acordo com as conveniências. Ele sabe o mal que fez à escola e, está mais do que evidente, de que o poder em nome da tradição, para ele, é mais forte.

Logros disse...

Caro p. p.,

Quanto a psiquiatras, estamos de acordo. Por ex., não sei quais são as inclinações ideológicas, nem me interessa, do narcísico Carlos Amaral Dias, mas que é um outro case study, lá isso é.
Só lamento que você que se auto-presume tão detentor de verdades e conhecimento, se deixe arrastar pelos seus preconceitos e ressentimentos corporativos e ache que é bom para o país ser governado por caricatas Ferreiras Leites, inadequadas esquerdas caviares, anacrónicos jerónimos ou troca-tintas portas.
Um dó li tá?
E digo-lhe que conheço montes de licenciados, mestres e até doutores, que são uma verdadeira nódoa. Não os queria nem para governar a minha dispensa.

José Ricardo Costa disse...

Cara Logros,

1.Eu? Auto-presumido? Deus do céu.

2. Irá conhecer cada vez mais lincenciados que são uma verdadeira nódoa.

3. Os meus ressentimentos corporativos devem ser desprezados? Ou seja, há um governo que passa 4 anos a cuspir-me na cara. Agora, num gesto de elevado patriotismo, atiro isso para trás das costas, e fico um fervoroso fanático do moderno engenheiro?

4. Presumo que, ao contrário dos meus sincréticos preconceitos, conceitos como "caricata Ferreira Leite", "esquerda caviar", "anacrónico Jerónimo" ou "troca tintas Portas", serão epistemicamente imaculados e cientificamente operatórios. Dignos, como diria o Velho Gaston, de uma verdadeira ruptura epistemológica.

post scriptum. A caricata Ferreira Leite nunca mandou fechar a Praça Vermelha para aparecer de calções perante as televisões, nunca andou a fazer figuras triste de vendedor de banha da cobra ao lado de palhaços sul-americanos e, tanto quanto sei, tem uma licenciatura sem mácula no tempo em que o aparelho do PS (e do PSD) não tinha os seus tentáculos espalhados pelas instituções privadas ou públicas.

Cumprimentos,

JR

Margarida Graça disse...

Esse senhor Logros faz jus ao nome. Tenho um aluno que deve ser da estirpe, pois agride verbalmente a professora por se orgulhar de apresentar o programa com comunistas como o Luis de Sttau Monteiro, que o programa devia ensinar a ler escritores da extrema direita.

Pergunto-me como será o diálogo em casa...

Rui disse...

Uma 2ª oportunidade para alguém que teve o máximo de oportunidades que um governo pode ter: maioria absoluta e um presidente cordato?
2ª oportunidade para quê?

addiragram disse...

O problema da res publica é que continua e vai continuar entregue a quem tem a cupidez do poder.Foi assim para trás, e assim vai continuar a ser, psiquiatras inclusivé.
Há outras gentes, mas essas não precisam, nem gostam de estar na ribalta.

Logros disse...

Eu não insulteininguém. V. no seu post é que chama "pandilha", "Berlusconi" e outras coisas piores, ao ainda actual PM.Dizer que a dama-de-latão é caricata, sa esquerdas inadequadas e o Portas um prestigiditador para analfabetos é uma forma CIVILIZADA de os descrever. Não é com baixarias de taberna...nem com anedotas de "calções" e outras ridicularias.
Aliás, a forma como descreve a "limpeza" F. Leite, define a sua inexperiência política e cognição.
Nem o Bachelard o vai ajudar.
Mas, enfim democracia é isto. E fui eu que lhe vim aqui dar treta, o que descanse, não farei tão cedo.

Cumps
PS- Para que não haja confusões de alguma acólita, ela sim, agressiva, passo a informar que também sou licenciada e que tenho 2 filhos professores do Ensino Superior, que vão votar no PS.

Anónimo disse...

O que é o PS?

Alice N. disse...

Eu também estou um pouco chocada consigo, José Ricardo. É que falar em "execrável pandilha socrática", francamente, é ser demasiado eufemístico.

De resto, revejo-me em todas as suas palavras.