29 setembro, 2009

FAZ TUDO COMO SE ALGUÉM TE CONTEMPLASSE

8 comentários:

Micha disse...

wow...que pintura! Adoro a composicao, o movimento que nao vem, as cores, o mood e o titulo :) o teclado do lap top esta ficando branco...gradativamente....branco!

Anónimo disse...

Eu sei que a frase de Epicuro (que por acaso até se encontra em alguns espaços publicitários não ocupados - ver na Avenida) versa sobre a verticalidade, e o ser ético na acção. Mas por outro lado penso que encerra uma ideia pela qual não morro de amores: "Cuidado que estou a ver o que tu fazes e depois vou fazer queixinhas de ti".

Os "bufos", esses seres sempre prontos a cuscar ali na Botica, estão sempre alerta, e nunca fui capaz de simpatizar com classe tão vigilante da cidade.

Apesar de não acreditar que o pobre Epicuro não estivesse a pensar na nobre Torres Novas quando chegou a esse axioma, e antes tivesse a ideia de prover uma "moral", o "big brother" sempre me atemorizou. Prezo a liberdade de fazer o que me der na real gana, desde que isso não vá contra a liberdade de outros, e não estou disponível para me justificar com quem não tem nada a ver com isso.

Luis

Anónimo disse...

Ora bolas e esqueci-me de comentar a foto: Bem apanhada, mas com dejá vu no tal cartaz :)

Luis

José Ricardo Costa disse...

Caro Luís, a frase de Epicuro não tem nada que ver com os "bufos" do largo da botica mas com o "bufo" que há dentro em cada pessoa. No fundo, acaba por ser uma versão mais depurada do anel de Giges a que se refere Platão,na República: o que sou capaz de fazer se ninguém me estiver a ver? E o que poderia eu fazer e não faço só porque alguém me está a ver?

Abraço,

JR

marteodora disse...

Das tuas melhores fotografias.
Um fotograma belíssimo.

Anónimo disse...

Meu caro JR longe de mim teimar com um professor de filosofia... sobre filosofia. Mas penso que percebi a ideia inicial, pois no meu post falo em "a frase de Epicuro versa sober a verticalidade e o ser ético na acção". Esta é a ideia principal não é?

Depois desenvolvi para outro lado, se bem que não o mais correcto, mas para aquele que me "apeteceu", pois ao reflectir sobre o tema (ou irreflectir já que foi uma reflexão instantânea) preferi desviar a minha atenção para os senhores do "all seeing eye", aqueles que tudo vêem. Perdoe-me o desvio.

Se ainda assim eu estiver no caminho errado agradeço que me faça a devida correcção.

Luis

José Ricardo Costa disse...

Caro Luís, fez bem em ter levado a conversa para onde lhe apeteceu. Aliás, as coisas são para fazermos delas o que bem entendemos, ou seja, devem ser vistas mais como ponto de partida do que como ponto de chegada. Eu é que, por deformação profissional, levei a coisa mais a peito.

Abraço,

JR

addiragram disse...

Um belo exemplar!