16 maio, 2009

O ELOGIO DA PRIVACIDADE

José Borges não é um bárbaro. Para mim, e para todos aqueles incapazes de tratar da vidinha aos berros através de um telemóvel em sítio público, a proliferação deste muito útil objecto trouxe uma violência desnecessária ao nosso quotidiano. A vida dos outros, a não ser que se tenham passado 200 anos sobre ela, é o assunto mais desinteressante deste mundo. Sermos forçados, pela proximidade geográfica, a ouvir o que a prima Maria Dulce disse à tia da Sofia, a saber se o Alberto já chegou ou se "Já tirastes a carne da arca?" é muito pouco higiénico.

1 comentário:

José Borges disse...

De facto, de facto! Obrigado pela referência.