10 maio, 2009

IVAN, O TERRÍVEL

Estive, anteontem, a rever a primeira parte de Ivan O Terrível ( 2 dvd's). Deus do céu, o que eu gostei de ver aquilo. Há já uns bons anos que não o via. Mas é impressionante como, após tantos anos, mantive uma relação de familiaridade com o filme. Mesmo não tendo já presente o desenvolvimento da história, antes de o ver já sabia o que iria ver. Eu só parecia o escravo grego interrogado por Sócrates no Ménon que se lembrava de ideias das quais, em vida, nunca tinha ouvido falar.
Depois, claro, deslumbrou-me o que já me havia deslumbrado em tempos. A realização é verdadeiramente fantástica, o jogo de luz e sombras, vertiginoso. Eu estava a ver, metamorfoseadas em filme, algumas das fotografias de Rodchenko ou de Ignatovich. Há mesmo um grande plano de Ivan no qual a sua barba é realçada e vendo-se ao fundo uma multidão, que me faz lembrar esta fantástica fotografia do último.




Claro que a minha leitura do filme foi, desta vez, muito diferente da última. Uma interessante leitura política que nos permite ver, ali, o universo de Maquiavel. E quem diz Maquiavel diz alguém que, na altura em que o filme foi realizado, comandava os destinos da URSS. Não é apenas a sombra de Ivan que surge, ali, como personagem principal. É também a sombra de Estaline. Um homem que também lutou com a sua própria sombra.
Imprescindível.

2 comentários:

addiragram disse...

O entusiasmo que soube comunicar na re-visão desta Obra abriu-me o desejo de também a rever.Uma boa sugestão para um Domingo invernoso.

José Ricardo Costa disse...

Mas também poderá ser um bom abrigo naqueles dias tórridos de sol. Quem gosta de fotografia fica certamente deslumbrado.

JR