21 maio, 2009

COMPUTADOR PARA LAMENTAR


"A propósito ainda do pedido de demissão de Michael Martin, é interessante ver como o parlamento inglês apresenta uma pobreza tecnológica e até uma falta de conforto constrangedores quando comparados, por exemplo, com o parlamento português. Nenhum daqueles parlamentares britânicos exibe computadores durante as sessões, até porque, à excepção dos joelhos, não teria onde colocá-lo. Mas questionam e discutem como compete a quem tem História e presta contas ao povo. Por cá exibem computadores, sempre ligados para dar um ar de ocupação, como os funcionários das repartições". Helena Matos, Público, 21 de maio de 2009

E eu acrescentaria: " e os professores".

2 comentários:

José Trincão Marques disse...

A fotografia que escolheste é da Câmara dos Lordes. A Câmara dos Comuns, com os estofos verdes, é mais democrática (e também não tem computadores).

Margarida Graça disse...

Mas nós somos diferentes em tudo. Por isso, de um país tão pequeno nos tornámos tão gigantes. Gigantes contra os mouros, gigantes contra os Adamastores, gigantes em palácios e agora em freeports e resorts sonae.com, gigantes no esbanjamento em bibliotecas que permanecem às estatísticas das moscas, gigantes nos dinheiros do povo para viaturas de gente de povo que serve o povo, gigantes nas voltas ao mundo e de representação ao mundo... ... eu sei lá... Até em Magalhães e outras "perversonalidades" somos gigantes, desde que sirvam o nosso umbigo... E o nosso gigantismo ultrapassa todas as fronteiras da mais bela e assinalada epopeia... A testá-lo, olhemos para os sectores em crise do nosso gigantesco país e dos seus respectivos gestores... E não esqueçamos também de dar uma olhadela de través, às reformas dos senhores políticos, que mexem nos dinheiros do povo, mas o povo não mexe nos dinheiros desses senhores que elegeu...