29 março, 2009

OFERTA

Hoje, na Bertrand de Santarém, aproximei-me do balcão e entreguei ao empregado, para pagar, "A Defesa da Sociedade Natural", do Edmund Burke. O empregado pergunta-me se é para oferta.
Dois comentários.
Primeiro: uma pessoa que trabalha numa livraria devia saber que um livro chamado "Defesa da Sociedade Natural" não se compra para oferecer a ninguém.
Segundo: se ele me pergunta, sem mais nem menos, se o livro é para oferta, é porque provavelmente está habituado a que as pessoas que lá vão comprar livros o façam para oferta. Isto fez-me lembrar todas aquelas ocasiões em que fui com os meus filhos comprar prendas para dar aos amigos que faziam anos e, sempre que não sabiam o que haveriam de comprar eu dizia para comprar um livro. Resulta sempre. Na maior parte dos casos o livro não é lido por quem o oferece, nem por quem o recebe. Mas resulta sempre.

3 comentários:

jose albergaria disse...

Deve ser um tique corporativo.
Na Bertrand do Colombo, do Odivelas Parque, do Shopping de Loures, no C.C. Vasco da Gama e, mesmo, na do Chiado...a pergunta é, sempre, aquela em que você tropeçou por Santarém.
Eu, mesmo quando estou a comprar para oferecer, respondo sempre: NÃO!
JA

Ega disse...

É, jaz faz parte da praxe da Bertrand.

Seja aqui nas de Viana (as únicas duas livrarias da cidade), seja nas do Porto, a pergunta, quando me apresento a pagamento, é sempre a mesma.

Mas à Bertrand o que lhe falta mesmo é gente que perceba de livros.

addiragram disse...

Há sempre o outro lado da "coisa". Os empregados das livrarias, na sua solicitude, não querem deixar de disponibilizar o conveniente papelinho. Também acontece, às vezes, não perguntarem e o cliente dizer: faça favor de embrulhar! É para oferta!. Assim, pelo sim pelo não mais vale a mais do que a menos..