22 janeiro, 2009

MY FAVORITE THINGS

Lembro-me perfeitamente do momento em que percebi pela primeira vez que gostava de música erudita. Lembro-me também perfeitamente do momento em que percebi pela primeira vez que gostava de jazz.

Foi a ouvir isto:





Certamente influenciado por isto:

2 comentários:

Pedro Ramires disse...

eu também começei a comprar cd's de jazz atrás de cd's de jazz por causa desse senhor em geral e dessa música em particular. uma personagem qualquer de 'kafka à beira-mar' - um romance de murakami que me deram (não é nada de especial) - ouvia essa música ou referiu-se a essa música enquanto se deslocava de carro (salvo erro); fui procurar e fiquei apaixonado: andou pelos 1ºs lugares do mp3 durante todo o 1º ano da faculdade e, até hoje, ainda não encontrei outra música de jazz tão viciante como essa. e suspeito que 'my favorite things' desde que foi criada, não tem parado de atrair pessoas para esse género de música.

José Ricardo Costa disse...

O Jazz, por causa da improvisação, torna-se um pouco difícil para ouvidos habituados a trabalhar "com rede". O facto desta versão partir de um standard absolutamente convencional e assobiável, permite partir para a improvisãção com uma certa sensação de defesa. Como ir para a parte do mar sem pé mas com uma boia à cintura.

JR