08 janeiro, 2009

LUZ AO FUNDO DO TÚNEL

Para o Jorge Carreira Maia
Vinha hoje na auto-estrada a ouvir a Antena 2 quando dou por mim a ouvir uma belíssima sonata de cujo autor não consegui perceber o nome quando foi apresentada no início. Já me tem acontecido, nos pequenos circuitos urbanos, em que entro e saio do carro frequentemente, ficar sentado à espera que acabe uma música que comecei a ouvir já a meio, não só para acabar de a ouvir mas também para saber quem é o compositor.
Entretanto, entro no túnel da Gardunha e deixo de poder ouvir rádio. Silêncio. Acelero, acelero, acelero, não fosse a música acabar e eu ficar sem saber o nome do compositor. Começo a ver cada vez melhor a luz ao fundo do túnel. Cada vez melhor e a esperança a aumentar. Quando, finalmente, começo de novo a ouvir o rádio, já o locutor apresentava a nova música que iria passar a seguir.
Por causa disso, provavelmente não voltarei a ouvir aquela música visto não ter quaisquer referências a seu respeito e saber, pelo nome que pude ouvir mas sem conseguir perceber, que o seu autor é muito pouco conhecido. Mas aprendi uma enorme lição. Que poder ver a luz ao fundo do túnel não nos traz necessariamente a verdadeira luz que procurávamos.

2 comentários:

JCM disse...

Pois é, talvez ainda possas descobri-la aqui:

http://tv1.rtp.pt/antena2/

Embora, já lá vai o tempo em que a Antena 2 dispensava uma informação pormenorizada das obras que dava a ouvir. A modernização socialista deve ter chegado lá e os resultados são o que são. Vê a hora e talvez tenhas a sorte de, ao clicar sobre o programa, descobrires a obra. Mas é mesmo preciso sorte.

José Ricardo Costa disse...

Pois, isso foi logo a primeira coisa que eu fiz. Só que o programa (Vibrato) não tem a programação. Entretanto, escrevi um mail para os senhores da RDP a pedir o contacto do apresentador. Estou a aguardar. Se obtiver resposta, será depois aqui divulgado.

De qualquer modo, obrigado.

JR