24 janeiro, 2009

GUARDA

Com os meus agradecimentos à Alice N. pelo esclarecimento no penúltimo post. E já que estamos em maré de esclarecimentos aproveito para dizer que o restaurante, que fica mesmo ali ao pé, se chama "Belo Horizonte". Depois de passar vários dias a comer para sobreviver, foi um regresso à pátria absolutamente balsâmico. Os meus agradecimentos à Graça Pires que, ao recomendar o restaurante, foi a verdadeira responsável pelo desvio na A23 rumo ao bom Portugal dos velhos tempos.

2 comentários:

Alice N. disse...

Já agora, para quem vá passear por terras beirãs e goste de Cargaleiro, há um espaço a não perder: O Museu Cargaleiro, em Castelo Branco. Fica na zona histórica da cidade, num belo palacete setecentista impecavelmente restaurado (o Solar dos Cavaleiros). O museu é pequeno, mas muito bom. As exposições são rotativas, pois o acervo doado pelo artista é considerável e não é possível expô-lo todo ao mesmo tempo. As obras expostas são muito diversas: pintura, escultura, azulejaria... Lá também se podem ver algumas obras da colecção privada de Cargaleiro (Picasso, Vieira da Silva, entre outros). É uma pequena jóia lamentavelmente pouco ou nada divulgada.

Alice N. disse...

Ah! esqueci-me de dizer que em Castelo Branco também há uns restaurantes (poucos, mas realmente bons) onde vale a pena sentar-se à mesa.
(Eu, portuguesa me confesso, considero que esse assunto também é da máxima importância.)
:)