12 janeiro, 2009

CONTINUAÇÃO ( PARA JLF)

Quando postei, para o meu muito estimado JLF, o vídeo com o Chico Buarque, ainda não tinha conseguido a letra da canção e não era fácil deduzí-la, com rigor, naquele ensaio.

Aqui vai. Já viu que gracinha?

"Quando eu ainda estava moço
Algum pressentimento
Me trazia volta e meia
Por aqui
Talvez à espera da garota
Que naquele tempo
Andava longe,muito longe
De existir
Tantos tristes fados eu compus
Quanto choro em vão,bolero blues
Eis que do nada ela aparece
Com o vestido ao vento
Já tão desejada
Que não cabe em si
Neste crucial momento
Neste cruzamento
Se ela olhar para trás
É bem capaz de num lamento
Acudir ao meu olhar mendigo
Mas aquela ingrata corre
E a Barão da Torre e a Vinícius de Moraes
São de repente estranhas ruas
Sem o seu vestido ficam nuas
E ao vento eu digo-tarde demais
Quando ela já não mais garota
Der a meia-volta
Claro que não vou estar mais nem aí"

1 comentário:

Anónimo disse...

Muito obrigado, Ivone, mas a verdade é que nem me atrevi a tentar decifrar a letra...
A música (do mesmo artista, ao que suponho, e se bem me recordo) dessa sentiu-se que o Chico não quis desanimar o moço, tão cheio de vontade. E de valor, como às tantas bem poderá vir a confirmar...
Ah! Mas em matéria de letras, o rapaz já tem uma boa oficina...

Mas...

Sinto-me meio encabulado com os destaques que dá ao meu pobre e modesto nome...
Depois... Não me estrague com mimos. Que eu, provavelmente, não mereço.

Vá, Ivone, não me assuste.

Abraço
jl