24 janeiro, 2009

CARDIOLOGIA



"Nesta cultura permanente do coração, não arde como fogo mas como chama, chama que não produz dor mas felicidade. E é luz que ilumina para sair de impossíveis dificuldades, luz suave que dá consolo. Nesta mesma cultura, o coração tem feridas; lentas, às vezes impossíveis de sarar; dir-se-ia que as feridas nele nunca se fecham porque têm um certo carácter activo, são feridas vivas, como feridas, das quais mana constantemente uma gota de sangue que impede a sua cicatrização". Maria Zambrano, A Metáfora do Coração e Outros Escritos.

Eis uma doença para a qual a moderna e desenvolvida cardiologia ainda não encontrou respostas. Se, um dia, encontrar, a cura das doenças deste coração irão também ajudar a curar algumas doenças do verdadeiro coração.

1 comentário:

manufactura disse...

...ainda é cedo... dançamos nos destroços da guerra...