30 novembro, 2008

CHELSEA HOTEL

O Guardian de hoje traz um artigo sobre as dificuldades por que está a passar o Chelsea Hotel. Pela conversa, vai ter o destino que tiveram dezenas de cafés históricos em Portugal, reciclados com vista à aplicação de um novo conceito de hotelaria, cafetaria e restauração.

Dylan Thomas, antes de morrer, ali bebeu 18 garrafas de Whisky, a namorada de Sid Vicious foi morta, à facada, no quarto 100, Edie Sedgwick, a musa de Warhol, deitou-lhe fogo. O Chelsea Hotel é um museu de espíritos vagueando pelos corredores. Mas não apenas almas penadas que nem com a vida, nem com a morte, se reconciliaram. Mark Twain, William Burroughs and Tennessee Williams ali escreveram. Arthur C Clarke lá escreveu 2001: Odisseia no Espaço. .

Provavelmente irá continuar a receber visitantes em busca das almas penadas, indo lá turisiticamente como quem vai ao Madame Tussaud. Verão as almas penadas embalsamadas e bem protegidas dentro de vitrinas diariamente limpas com o aspirador.

Entretanto, lembrei-me disto:

1 comentário:

Miguel Sentieiro disse...

Caro Zé

Não conheço o chelsea hotel, mas fizeste com que voltasse a ouvir o Leonardo, que me acompanhava nos fones durante as minhas viagens de bicicleta entre Oeiras e Xabregas, todos os dias. Foi nesses percursos ali à beira rio,que cultivei muito do meu gosto musical´, apenas interrompido por uma ou outra buzina...
Abraço e agora vou tirar o cd do tipo da prateleira...
Miguel