07 outubro, 2008

FÓRMULAS

O meu avô materno nunca deve ter entrado numa igreja.
Uma das boas recordações da minha infância é a recordação da voz dele, firme e terna, a responder aos filhos:
- A sua bênção, meu pai.
-Deus Nosso Senhor te abençoe.

1 comentário:

Anónimo disse...

Curioso, na verdade!

Como me disse (escreveu, melhor dito) o JR, um dia, ao assim invocar o nome de Deus em vão (aliás: ao invocar o santo nome de Deus em vão): "não ligue. São maneiras de dizer". E não é verdade?

A propósito, sou mesmo muito velho: eu e os meus (5) irmãos ainda usámos a fórmula, em pequeninos, com pais, avós e padrinhos. Melhor: a fómula, não. O gesto, apenas, de beijar a mão. Mas, curiosamente, ela caiu (aos 6) na adolescência, salvo para os avós.
Já adultos, e mais maduros, passámos a, simplesmente, dar o normalíssimo beijo na cara.

Bem vistas as coisas situávamo-nos (eu, os meus 3 irmãos e as minhas duas irmãs - tudo jovens hoje entre os 69 e os 78 anos) numa fase de transição.

Mas que importam estas considerações num comentário dum blogue?
Desculpe, Ivone.

(Bem vistas as coisas fica um registo sobre os costumes e as saudações)

jl